“Aqueles que descobrem 100 BALAS percebem
que têm uma obra-prima sobre o crime nas mãos.” – Jim Steranko

Parceiros do Crime

Brian Azzarello Postado por Fabiano Denardin
13 de fevereiro de 2012

Brian Azzarello

A mente criminosa de Brian Azzarello veio ao mundo no ano de 1968, na cidade estadunidense de Cleveland, Ohio. Depois de cerca de 30 anos de preparação nos piores e mais imundos buracos no mundo dos quadrinhos, seu nome passou a ganhar força, muito graças a participações em antologias da Vertigo e, principalmente, à minissérie Jonny Double, sua primeira colaboração com seu mais famoso comparsa, o ilustrador argentino Eduardo Risso.

100 BALAS – lançada em 1999 – trouxe a Azzarello e seu parceiro reconhecimento de público e crítica quase instantâneo. O comentário geral era de que a dupla trazia de volta às HQs boas histórias de crime e mistério, misturando características clássicas do gênero noir a uma abordagem completamente atual e nova do que se convencionou chamar de “submundo do crime”.

A consagração vinda graças a 100 BALAS levou Azz a escreverHellblazer, também para a Vertigo (foi o primeiro estadunidense a assumir o título, notadamente escrito por ingleses), Banner e Cage (duas minissérie para a Marvel), elogiadas passagens por SupermanBatman e Sargento Rock, além de materiais para a Wildstorm, como Deathblow, e mais uma série mensal pro selo adulto da DC, o western Loveless.

Há pouco tempo, Brian Azzarello anunciou um novo trabalho para a Vertigo ao lado de Risso, chamado Spaceman. Além disso, foi convocado a reconstruir a Mulher-Maravilha para a DC Comics, na mais recente reformulação do universo de heróis da editora, em 2011. Como se vê, sua influência perniciosa junto às jovens mentes do planeta parece longe de chegar ao fim. Prosteste ou junte-se a seu império do crime em sua página oficial no mySpace: http://www.myspace.com/brianazzarello/.

Dave Johnson Postado por Fabiano Denardin
13 de fevereiro de 2012

Dave Johnson

Vencedor do prêmio Eisner de melhor artista de capas em 2002, Dave continua a imprimir um novo fôlego à  indústria gráfica dos quadrinhos. Sua parceria com Brian Azzarello e Eduardo Risso começou com o aclamado 100 BALAS e continuou em Cidade Castigada. Dave foi o responsável por todas as capas da série.

Além disso, ele também é conhecido por seu genial trabalho em Superman: Entre a Foice e o Martelo – que foi indicada ao prêmio Eisner de Melhor Minissérie. Dave pode ser encontrado no site http://devilpig.deviantart.com/, onde coloca algumas de suas artes.

Eduardo Risso Postado por Fabiano Denardin
13 de fevereiro de 2012

Eduardo Risso

A cidade argentina de Leones, na província de Córdoba, deu luz a um monstro em 1959. Eduardo Risso, ainda aos vinte e poucos anos, surgiu como um dos principais expoentes da ilustração de seu país, inicialmente com desenhos infantis para o jornal La Nación, mas logo colaborando também com as revistas Eroticón e Satiricón.

No final da década de 1980, Risso já começava a construir sua infame reputação mundial dentro da nona arte, notadamente ao lado dos roteiristas Ricardo Barreiro e Carlos Trillo, em trabalhos como Parque Chás, Cain, Fulù e Video Nocturno. Essas obras logo atingiram em cheio as predileções do exigente mercado europeu.

Uma crise no mercado francês, onde atuava bastante na época, fez com que Risso atravessasse o oceano, indo trabalhar para grandes editoras dos EUA. Uma adaptação do filme Alien, a Ressurreição para Dark Horse foi seu primeiro trabalho de destaque na América, seguido logo pela mini Jonny Double e por… 100 BALAS.

Após a conclusão da série – que lhe rendeu dois prêmios Eisner como melhor ilustrador –, Risso desacelerou seu ritmo de trabalho, aparecendo aqui e ali, como em Batman: Cidade Castigada e, mais recentemente, em Spaceman (ambas escritas também por Azzarello). O artista ainda mora em sua Argentina natal, e seu trabalho pode ser apreciado também na internet, em seu site
http://www.eduardorisso.com/.

Patricia Mulvihill Postado por Fabiano Denardin
13 de fevereiro de 2012

Patricia Mulvihill

Patricia vive num minúsculo apartamento em Nova York, onde bebe quantidades industriais de chá. Ela passa boa parte do tempo aprendendo os mistérios ocultos de seu computador e inventando desculpas para não viajar. Patricia é desavergonhada e brutalmente devotada a 100 BALAS. Sua longa lista de créditos na última década inclui praticamente todos os principais personagens da DC Comics, incluindo uma passagem digna de nota em Wonder Woman. Por favor, nunca pergunte sua cor favorita! Seu trabalho como colorista já lhe rendeu um prêmio Eisner como Melhor Colorista.