A Terra como inimiga

O peso do mundo

O peso do mundo

Eles já enfrentaram forças alienígenas e poderes ocultos que regiam toda a humanidade… e saíram triunfantes! Mas como a superpoderosa célula anarquista conhecida como Authority pode vencer agora que terá como inimigo o próprio planeta que tenta proteger?

Esse é o enredo da história principal de Authority vol. 3, que chega às bancas e comic shops em meados do mês que vem trazendo mais sete edições (The Authority 17-21, The Authority Annual 2000, Wildstorm Summer Special 2001 – The Authority ) de uma das séries de quadrinhos mais comentadas do final do século passado. Nesse volume, o roteirista Mark Millar (Kick-Ass, Os Supremos), que herdou o título de seu criador Warren Ellis, e o desenhista Frank Quitely (Grandes Astros: Superman, WE3) continuam a ampliar o horizonte de possibilidades do que pode ser feito em uma aventura de super-heróis… ou pelo menos o que a dupla acredita que um super-herói é!

Authority vol. 3 terá 196 páginas e o mesmo acabamento gráfico dos dois volumes anteriores, com capa cartão e miolo LWC. O preço do encadernado vai ser R$ 25,90.


Um clássico moderno está de volta: Authority!

Para vigiar e punir

Para vigiar e punir

Eles são a equipe de super-heróis mais poderosa de seu mundo. Graças a seus poderes espantosos, agem sem ligar muito para qualquer governo ou instituição da Terra, fazendo o que acreditam ser o melhor para a humanidade… custe o que custar!

Essa descrição já dá uma boa ideia do que Authority vol. 1 — até o fim de dezembro nas bancas — traz de volta ao leitor brasileiro… mas não é suficiente. Quando chegou às bancas nos EUA, em 1999, a série escrita por Warren Ellis (Transmetropolitan) e desenhada por Bryan Hitch (Os Supremos, A Era de Ultron) mudou a forma como se olhava para os quadrinhos de heróis, provocando mudanças que impactaram tanto a DC quando a Marvel na década que se seguiu.

E não à toa! Personagens como Jenny Sparks, Meia-Noite, Apolo e o Doutor, apesar de já existentes anteriormente, adquiriram em Authority um status bem diferente do que se via em quadrinhos de super-heróis nos anos 1990. Em meio a tramas adultas e ambientação grandiosa (“culpa” da arte cinematográfica de Hitch e de seu colega arte-finalista Paul Neary), os personagens voltavam ali a ser centrais na construção da história, levando o título a um grau de excelência raro em revistas mensais.

Bom, depois de tanta rasgação de seda, desnecessário dizer que Authority vol. 1 é material obrigatório para todo fã de HQ que se preze, certo? A edição chega às bancas e comic shops com 204 páginas, capa cartão, miolo LWC e custando R$ 23,90.


A metamorfose do Stormwatch

Últimos momentos

Últimos momentos

Chega no mês que vem às bancas e comic shops o último encadernado da fase clássica de Stormwatch, roteirizada pelo malucão Warren Ellis. Para quem não sabe, muito do trabalho de Ellis no título (e no que veio logo depois dele) moldou como os super-heróis viriam a ser encarados e abordados nos anos vindouros.

Nessa fase de encerramento de Stormwatch — que na época ainda era editado pela editora WildStorm, mais tarde comprada pela DC —, vemos o “supergrupo especial para intervenção de crises das Nações Unidas” livre do jugo de seu maníaco ex-líder Henry Bendix. Agora com relativa liberdade para vigiar o planeta, seus integrantes, no entanto, continuam às voltas com escolhas morais bastante complexas. E, para piorar, tudo se complica e fica ainda mais estranho quando o grupo descobre uma Terra paralela à deles, que também tem o seu Stormwatch e versões alternativas de seus membros!

Um outro atrativo desse volume é a arte exuberante da dupla Bryan Hitch (desenhos) e Paul Neary (arte-final), que estrearam e desenvolveram no título o estilo cinematográfico-blockbuster mais tarde usado — e muito elogiado — em Authority (que não demora a sair!) e nos dois primeiros arcos de Os Supremos, da Marvel Comics.

Stormwatch vol. 4 chega às bancas em novembro com 172 páginas, capa cartão, miolo LWC, custando R$ 22,90.